domingo, 9 de maio de 2010

GRACINHA



se tá ruim não dá
se tá bom engana
finge que tem dor
e não sai da cama
ta de pileque
ta de pileque
saiu na boa
foi pro baile dos coroas
e botou-se a beijar
arrastando o sapato
esquentando a sola
até o calo estourar
dançou debaixo da chuva
daquele baile era a uva
se molhou para brotar
e todo o baile veio abaixo
toda aquela gente
ficou contente
alguns descrentes
pois podiam enxergar
ta de pileque
ta de pileque

Douglas Campigotto

6 comentários:

Karolline Garcês disse...

o que significa a expressão "pileque"?
Por aqui não é comum essa palavra..

Fatinha Costa disse...

Gostei muito da foto!

Degustei o poema também!

Fatinha

Thiago Espósito disse...

Queria estar nesse baile!

REGGINA MOON disse...

Douglas,

Vim aqui para o chá das cinco...
Belíssimo o seu espaço e seus versos são fortes e tem um ritmo próprio...gostei muito de todos que li...

Parabéns!!

Bjs,

Reggina Moon

www.versoeprosapoemas.blogspot.com

Marisa Vieira disse...

Douglal alguém já musicou?
Dá um samba lindo, parabéns!
Teu blog é muito rico!
Vu frequentar...rs
beijo da Marisa

Berro d'Água disse...

Muito interessante tudo. Uma forma atual para falr de algo que para muitos pode ter um certo gosto de passado, por não ser algo que nós, brasileiros, estejamos acostumados. Muito bom e parabéns!

Cristina