sexta-feira, 12 de novembro de 2010

ESPELHO ESPELHO MEU.



Desde cedo saiu do cercado
Vendia água revistas usadas
A cada dia se reinventava
Para sobreviver
Comia pão velho
Peixe grande já foi piava
Levou muita porrada
Quebrou muita cara
Homem diplomado
Sem canudo debaixo do braço
Nunca burlou a dignidade que a vida lhe ensinara
Sujeito forte
Não sabe o que é levar na sorte
A levava abraçado
Destemido
Sua palavra tem peso
Não pede arrego
Assume seus erros
Cara de mal coração de mingau
Baixinho, parrudo e infezado
Esse é meu Pai
Muito trabalho muito suor
Bonanza e maremoto
Amor e ódio
Honesto de dar raiva
Correto até com seus rabos de saia.

Douglas Campigotto

2 comentários:

Bianca MMonteiro disse...

Paieeeee...

Caяoℓ Łeaℓ disse...

Seu Blog ta muito legal, parabéns! Mas que tal colocar seu blog com dominio proprio, muito mais facil das pessoas aprenderem seu endereço. Caso tenha interesse entre em contato conosco pelo endereço www.carolleal.com.br.