quarta-feira, 4 de junho de 2014

PESCA PEÇAS


minhas mulheres
lindas
mulheres
foram perdendo
o tato se perdendo
o fino trato
amarguradas
de tanto tentar
bem amadas
fomos além
fomos de mais
de nós
lembro de cada
de todas
fui réu
fui féu
algoz
fui
fomos
cada um
parceiros
amantes
bêbados
entorpecidos
de nós mesmos
fomos
lembro de cada curva
da gente nus
de cada sonho
de cada sorriso
da água turva
naqueles dias
de chuva
fazíamos sol
víamos o melhor
improvisamos
pescamos sem anzol
inventamos dialetos
detalhes
retalhos
amor
decepção
vivemos
criamos um novo mundo
só nosso
seremos pra sempre

da gente


Douglas Campigotto

Um comentário:

Claudia Alvarez disse...

Lindo e singelo. Li em voz alta, na verdade, sussurrando, e achei linda a melodia das palavras, principalmente sussurradas. Parabéns por conseguir expressar tão bem a tua alma e obrigada por dividir um pouquinho dela com estranhos.