sábado, 6 de setembro de 2008

O ESCAFANDRISTA


Quem disse que um dia
Ficaria louco com tão pouco
Que um quarto me deixaria farto
Mesmo sem teto
Alço vôo
Coisa pra poucos
Apago
Esbarro
Um algo
Nada que pudesse alterar
Diferente daqui lá está
Mergulhado em poça d´agua
Que enxagua
Do jeito que me olha quando se molha
Da forma, do trejeito
Quase infarto
Insasiável como sou
Estanquei quando sangrava
Te digo
Sangrei porque te amava
Despedaçado
Me afasto
Viro resto
Poeta, artista, fodido
Esfarelado
Mas sigo
Apoiada em meus braços
Depois de tanto descompasso
Mergulho nos meus laços
Escrevo pra espantar a dor
O fracasso
De não ser o que sei que sou
Medo de ser outro
Em pedaços
Já pulei barreiras
Já falei verdades
Não soube mentir
Aprendi com isso
Jurei hinos
Querendo pouco desejando mais
Contando sorte
Elevando paz

Douglas Rosa

9 comentários:

Zek disse...

"O fracasso
De não ser o que sei que sou"

Esse aí sim é um companheiro meu de longa data....

paula barros disse...

"Escrevo pra espantar a dor"

Eu escreveo...
Para espantar a dor
Atrair o amor
Pensar que vivo o que não vivo
Realizar o impossível

Belo poema o seu, com muito sentimento para pensarmos.

abraços

Maria Dias disse...

Escreves para espantar a dor...Eu para poder voar!Obrigada pelo convite para o chá...Voltarei outras vezes a tempo do chá das cinco!rs...Gostei do blog!

Beijo!

Dois Rios disse...

"O amor veio e comeu todos os papéis onde eu escrevera o meu nome." João Cabral de Melo Neto.

Beijo,
Inês

paloma disse...

Ai,ai!!!Ter a sorte de presenciar o parto,eu tive.Tava lá,bem pertinho.
Táo bonito!!!

Raquel disse...

Adorei seu blog!
Beijos
http://sex-appeal.zip.net
http://cara-nova.zip.net

Uillow disse...

"Já pulei barreiras
Já falei verdades
Não soube mentir
Aprendi com isso"


P-E-R-F-E-I-T-O, meu caro! :)

Abração pra vc!

Negâ disse...

EH EH EH...
"Escrevo pra espantar a dor
O fracasso
De não ser o que sei que sou
Medo de ser outro"
Parece que estás falando de mim, me identifiquei muito.
Lindo pots, adorei isso aqui, sempre que possível passo, para ler um pouquinho mais.
Beijosss

Sr. Sem sono disse...

É engraçado como vidas completamente distintas podem causar as mesmas sensações e sentimentos em pessoas que nunca se viram. Fico mesmo a pensar que deve haver razão para sermos tão semelhantes, talvez para que um dia alcancemos algum tipo de empatia que acabe por fim com as tristezas que as pessoas causam. Eu também, meu caro, "mergulho nos meus laços, escrevo para espantar a dor, o fracasso de não ser o que sou."